271 cidades da Bahia têm água contaminada por agrotóxicos; veja lista

Mucugê, São Félix do Coribe, Camaçari e Itapetinga são as mais críticas; Embasa nega contaminação
Testes realizados pelas empresas de abastecimento de municípios brasileiros mostram que quatro cidades da Bahia consomem um perigoso coquetel com 27 agrotóxicos encontrados na água utilizada pela população. Mucugê, na Chapada Diamantina, Camaçari, na Região Metropolitana de Salvador (RMS), Itapetinga, Centro Sul, e São Félix do Coribe, no Oeste, estão no topo de uma lista de 271 municípios baianos (veja lista no final da matéria) em que se encontrou pelo menos um agrotóxico na água que abastece as torneiras das cidades. 
Obtidos em uma investigação conjunta pela ONG Repórter Brasil, da Agência Pública e da organização suíça Public Eye, os dados dizem respeito ao período entre 2014 e 2017. As informações são parte do Sistema de Informação de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano (Sisagua) do Ministério da Saúde. O estudo detectou em 1.396 municípios no país todos os 27 pesticidas.
No caso de Mucugê, o CORREIO apurou que o número elevado de agrotóxicos na água pode ter relação direta com as plantações de batata, morango e tomate na região. Moradores, biólogos, profissionais de saúde do município e até agricultores confirmam o problema e começam a ver os reflexos na população. 
“Aqui tem fazendas grandes com plantações que consomem muito agrotóxico. Contamina solo, lençol freático, água para consumo residencial. A gente vê muita gente com alteração de hormônio, tireoide, muita gente hipertensa e diabética. É difícil comprovar que isso tem relação com o consumo da água, mas que se usa muito agrotóxico na região, com certeza”, disse um especialista na área de saúde de Mucugê, que preferiu não se identificar. 
Biólogo e agricultor de Mucugê, Osório Neto diz que a batata, cultura número um da região, junto com as demais, compromete a qualidade da água há muito tempo. “Na realidade os três municípios vizinhos são contaminados com agrotóxicos: Mucugê, Ibicoara e Barra da Estiva. Os agrotóxicos que se usam em batata tem uma concentração maior de agrotóxicos. Isso há muito tempo tá assim. Demorou de estourar”, afirma Osório.  
Por outro lado, o próprio Osório, que é agricultor, garante que usa agrotóxicos ecologicamente corretos, específicos para cada cultura. E observa que o uso desses químicos em plantações está reduzindo. “Os próprios agricultores resolveram mudar isso. As fazendas e grandes empresas deixaram de usar produtos altamente tóxicos, passaram a usar moderadamente e agora estão partindo para outro estágio, como fazer rotação de culturas e usar sementes resistentes”, observa.
Mas, admite Osório, ainda vai levar muito tempo para que o solo contaminado de Mucugê se livre dos resíduos dos agentes contaminadores. “Os agrotóxicos altamente pesados foram retirados de combate há mais de dez anos. Tinham dois inseticidas aqui que eram terríveis. Eram faixa vermelha. Depois usaram faixa amarela e agora estão usando material resistente. Acontece que os resíduos que ficaram no solo levam décadas para se dissolver”, acredita o biólogo. 
A Estação de Tratamento de Água de Mucugê é de responsabilidade do município. Segundo Edna Moura, bióloga da vigilância sanitária de Mucugê, o município tem a obrigação de fazer coleta de duas amostras de água ao ano, como manda a portaria 2914/2011 – no caso de cidades com menos de 10 mil habitantes, o que não tem ocorrido.
Edna diz que a vigilância tem enviado por conta própria amostras para o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen), do Governo do Estado. No ano passado, porém, das quatro análises enviadas para o laboratório, Mucugê só teve acesso ao resultado de uma, que não identificou alteração. 
Para Edna, é preciso refazer sempre as análises e cobrar do Lacen que divulgue os resultados. Inclusive, 15 dias atrás, novas amostras para analisar agrotóxicos foram enviadas para laboratório. “O resultado mais recente que eu tenho, que foi do ano passado, deu normal, dentro dos parâmetros. Mas, é preciso refazer essas análises”, diz Edna. “Sabemos que estamos em uma região com grandes plantações de batata, de morango e não podemos descartar contaminação. Essa temática está muito complexa e se coloca atualmente na Bahia inteira”, argumenta.
O que assusta é a possibilidade de os males trazidos pelos agrotóxicos estarem agindo de forma silenciosa nas populações, sem que se saiba a origem do problema. “Aqui em Mucugê dificilmente você vê alguém dizer que uma alergia ou qualquer outra doença é fruto do consumo de água com agrotóxico. Claro, tem gente que faz essa ligação. Mas, nunca vi ninguém dizer que vai procurar indenização de alguma empresa por conta disso, por exemplo”, diz o biólogo Osório Neto. 
O farmacêutico bioquímico responsável pelo sistema de tratamento de Mucugê, Luciano Guedes, questionou a credibilidade da pesquisa e destacou que o procedimento realizado na cidade é o padrão.
“Seguimos rigorosamente todos os critérios estabelecidos. Trabalhamos diuturnamente. Testes de controle interno são feitos a cada duas horas e mensalmente a água é passada por testes, com amostras enviadas ao Lacen e ao laboratório vinculado ao município”, disse Luciano.
Para discutir o assunto, a Câmara dos Vereadores da cidade receberá nessa segunda-feira (22) uma reunião entre membros da prefeitura, vigilância sanitária e entidades do meio ambiente para discutir soluções acerca do resultado obtido pelo estudo.
Temos que fazer análises para ter certeza que a pesquisa fala a verdade. Faremos testes padrões para avaliar isso. O nosso levantamento, no entanto, não encontrou a presença de nenhum agrotóxico”, disse o farmacêutico.
Risco na torneira
Dos 27 agrotóxicos encontrados pela pesquisa,  16 são classificados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) como extremamente ou altamente tóxicos e 11 estão associados ao desenvolvimento de doenças crônicas como câncer, malformação fetal, disfunções hormonais e reprodutivas. Importante ressaltar que as quatro cidades atingem o número máximo de agrotóxicos, mas há muitas outras com uma quantidade perigosa de químicos, como Macarani, também no Centro Sul, com 25 agrotóxicos, e até a própria Salvador, com 16 pesticidas. 
O levantamento revela ainda quais químicos estão acima dos níveis permitidos pela legislação do país e pela regulação europeia, que proíbe 21 dos 27 pesticidas encontrados na água dos brasileiros. Mas, ainda que não ultrapassem os limites legais aqui, a preocupação é de que eles juntos atuem como um coquetel nocivo à saúde.
“Mesmo que um agrotóxico não tenha efeito sobre a saúde humana, ele pode ter quando mistura com outra substância”, explica Cassiana Montagner, que pesquisa a contaminação da água no Instituto de Química da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). “Os agentes químicos são avaliados isoladamente e ignoram os efeitos das misturas que ocorrem na vida real”, diz a médica e toxicologista Virginia Dapper. Ambas são fontes no trabalho feito em conjunto pela Repórter Brasil, Agência Pública e organização suíça Public Eye.
Itapetinga
Em Itapetinga, no Centro-Sul da Bahia, foram detectados 27 agrotóxicos, sendo 11 associadas a doenças crônicas como o câncer. A gestão da água e do esgoto é realizada pelo Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE). O diretor, Alex Dutra, afirmou que o tratamento é “100% seguro e 100% dentro do exigido pelo Ministério da Saúde”. Análises são realizadas semestralmente na cidade. Amostras são enviadas para São Paulo.
“Sempre estamos abaixo do nível dos 27 agrotóxicos. Nós fazemos todas as análises sempre e seguimos o recomendado. Se o problema que a entidade sugere é a presença de diversos agrotóxicos em um município, é necessário alterar a exigência do Ministério da Saúde, porque nós seguimos à risca o que eles exigem”, opinou.
Dutra afirmou que irá conversar com os representantes da agricultura das cidades de Barra do Choça, Caatiba e de Itapetinga, que são cortados pelo mesmo rio, para verificar os produtos utilizados e buscar melhorias para a população.
Barra do Choça e Caatiba, por exemplo, têm a presença de três agrotóxicos proibidos no Brasil em suas águas, de acordo com o levantamento.
O último relatório de análises da água de Itapetinga foi divulgada no site da cidade. No relatório, todos os agrotóxicos realmente estavam abaixo do nível permitido no país, mas houve a presença dos 27, assim como a pesquisa revelou.
Na Bahia, dos quatro municípios em que foram detectados os 27 agrotóxicos, Camaçari é o único em que se detectou agrotóxicos com concentrações acima do nível permitido no Brasil. Também apenas em Camaçari a Embasa (Empresa Baiana de Água e Saneamento) trata a água. As demais têm gestão própria do abastecimento. Já dentre as 271 cidades com pesticidas a Embasa gerencia a maior parte do fornecimento de água com por exemplo em Salvador. 
Em nota, a Embasa informou que as análises realizadas semestralmente pela empresa no período entre 2014/2018 apresentaram valores que demonstram a inexistência de substâncias presentes em agrotóxicos. “Isso significa que os parâmetros de potabilidade da água distribuída pela empresa estão de acordo com as determinações da Portaria de Consolidação nº 05, anexo XX, de 2017, do Ministério da Saúde”, diz a nota.
A secretaria de Saúde de Camaçari foi procurada pelo CORREIO, mas não respondeu até o fechamento desta reportagem. O município de São Félix de Coribe, que possui o tratamento da água através do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE), também foi procurado pelo jornal, mas não deu retorno aos questionamentos da reportagem.
Saúde em alerta
As intoxicações por agrotóxico, em casos graves, podem até gerar coma, parada cardíaca, hemorragia ou perda da visão. Na Bahia, o problema é tratado como uma questão de saúde pública, já que está entre os oito estados do Brasil em consumo do produto.
Os defensivos agrícolas possuem diversos níveis de intoxicação, que podem variar de acordo com a quantidade do produto e tempo de exposição a ele.
O Ministério da Saúde alerta que os venenos podem entrar no corpo por meio de contato com a pele, mucosas, respiração ou ingestão. Os sintomas mais comuns logo após a exposição são mal-estar, dor de cabeça e cansaço. Nos casos mais graves, pode se identificar lesões de pele, tonturas, dificuldade respiratória, podendo ocorrer coma e morte.
Os agroquímicos também podem desenvolver problemas crônicos, que aparecem após algum tempo, como distúrbios como irritabilidade, ansiedade, alterações do sono e da atenção, depressão; dor de cabeça, cansaço, alergias de pele e respiratórias, problemas neurológicos e até alguns tipos de câncer.
O bioquímico Luciano Costa destaca que a presença dos agrotóxicos na água acima do nível permitido pelo Ministério da Saúde pode provocar diversas doenças.
“Funciona como o efeito radioativo, ele vai acumulando no organismo. Ou seja, você pode ter problemas mais graves no futuro quando consome esse tipo de material”, disse.
Ele destacou que quanto maior a quantidade ingerida e o tempo de exposição, piores são os sintomas e as consequências para a saúde.
“Não é que a pessoa de imediato vai ter câncer, mas como algumas substâncias são cancerígenas, quando há uma grande exposição, os riscos aumentam”, explicou.
A Pública –  Agência de Jornalismo Investigativo – e ONG Repórter Brasil, que pesquisaram os dados de contaminação da água, são organizações especializadas em jornalismo investigativo fundadas em 2011 e 2001, respectivamente. A Pública foi o terceiro veículo de comunicação brasileiro mais premiado em 2016 e já conquistou os principais prêmios de Jornalismo do Brasil a exemplo do Tim Lopes, Petrobras e Vladmir Herzog.
Agronegócio questiona dados de contaminação 
A divulgação, nessa semana,  do resultado do estudo de contaminação de água por agrotóxicos pela Agência Pública, Repórter Brasil e organização Public Eye gerou questionamentos. Além das próprias empresas de tratamento de água desmentirem as informações ou falarem que elas são tendenciosas, associações do setor agrícola também foram contrárias aos dados apresentados.
A Associação Nacional de Defesa Vegetal (Andef), por exemplo, afirmou que os dados foram publicados “de forma alarmista” com pesquisas “absolutamente desconhecidas por autoridades nacionais e internacionais”.
“A matéria trata de forma cientificamente distorcida a questão do resíduo de agroquímicos na água dos municípios brasileiros, já que apenas 0,3% das análises realizadas estão acima dos valores máximos estabelecidos pelas autoridades brasileiras. O texto importa parâmetros europeus e faz uma análise fora do contexto da realidade brasileira, um país tropical e com mais de 65% do seu território coberto por vegetação nativa”, diz a entidade em nota enviada à imprensa.
A entidade destacou que os agrotóxicos passam por aprovação da Anvisa, MAPA E Ibama e estão “entre os produtos mais regulamentados em todo o mundo” e que o processo de desenvolvimento do produto é longo, podendo chegar a 10 anos, justamente por conta da quantidade de pesquisa necessária para produzi-los.
“Cada país estabelece diferentes limites, pois eles também dependem do uso local; por isso comparar regiões globais não é a maneira mais adequada de verificar a qualidade da água. O monitoramento da qualidade da água deve levar em conta o uso e a exposição, ou seja, avaliando-se cientificamente o risco”, opinou a entidade.
Sobre o aumento de toxicidade entre mistura de agrotóxicos, a entidade afirmou que “deve-se ponderar que não se pode esperar que os defensivos com diferentes modos de ações para os organismos alvos apresentem toxicidade acumulativa”.
O Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg), entidade que representa os fabricantes de agrotóxicos, destacou a avaliação já realizada previamente pela Anvisa, Ibama e Ministério da Agricultura.
“Garante que eles são seguros ao trabalhador, população rural e ao meio ambiente sempre que utilizados de acordo com as recomendações técnicas aprovadas e indicadas em suas embalagens”.
“O setor de defensivos agrícolas realiza iniciativas para garantir a aplicação correta de seus produtos, uma vez que alguns problemas estruturais da agricultura como a falta do hábito da leitura de rótulo e bula e analfabetismo no campo trazem um desafio adicional de cumprimento às recomendações de uso”, acrescentou o sindicato.
A Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba) informou que só vai se pronunciar sobre o caso após apurar os dados e confrontá-los com outros levantamentos.
A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado da Bahia e a Agência de Defesa Agropecuária da Bahia, órgão do governo estadual, foram procuradas mas em função do feriadão não foram localizados representantes para se posicionar.
Veja a lista das cidades da Bahia que estão com a água contaminada, segundo o estudo:
  1. ABARE
  2. AGUA FRIA
  3. AIQUARA
  4. ALCOBACA
  5. ALMADINA
  6. AMARGOSA
  7. AMELIA RODRIGUES
  8. ANAGE
  9. ANDARAI
  10. ANGICAL
  11. ANTAS
  12. ANTONIO CARDOSO
  13. ANTONIO GONCALVES
  14. APUAREMA
  15. ARACATU
  16. ARACI
  17. ARAMARI
  18. ARATACA
  19. ARATUIPE
  20. AURELINO LEAL
  21. BAIANOPOLIS
  22. BANZAE
  23. BARRA DO CHOCA
  24. BARRA DO ROCHA
  25. BARREIRAS
  26. BELMONTE
  27. BIRITINGA
  28. BOA NOVA
  29. BOA VISTA DO TUPIM
  30. BONINAL
  31. BONITO
  32. BREJOES
  33. BROTAS DE MACAUBAS
  34. BRUMADO
  35. CAATIBA
  36. CABACEIRAS DO PARAGUACU
  37. CACHOEIRA
  38. CACULE
  39. CAETANOS
  40. CAETITE
  41. CAIRU
  42. CAMACAN
  43. CAMACARI
  44. CAMAMU
  45. CAMPO FORMOSO
  46. CANAVIEIRAS
  47. CANDEIAS
  48. CANDIDO SALES
  49. CANUDOS
  50. CAPELA DO ALTO ALEGRE
  51. CAPIM GROSSO
  52. CARAIBAS
  53. CARAVELAS
  54. CARDEAL DA SILVA
  55. CHORROCHO
  56. CICERO DANTAS
  57. CIPO
  58. COARACI
  59. CONCEICAO DA FEIRA
  60. CONDE
  61. CONDEUBA
  62. CONTENDAS DO SINCORA
  63. COTEGIPE
  64. CRAVOLANDIA
  65. CRISOPOLIS
  66. CRISTOPOLIS
  67. DARIO MEIRA
  68. DIAS D’AVILA
  69. ELISIO MEDRADO
  70. ENCRUZILHADA
  71. ENTRE RIOS
  72. ESPLANADA
  73. EUCLIDES DA CUNHA
  74. EUNAPOLIS
  75. FATIMA
  76. FEIRA DE SANTANA
  77. FLORESTA AZUL
  78. FORMOSA DO RIO PRETO
  79. GANDU
  80. GAVIAO
  81. GENTIO DO OURO
  82. GLORIA
  83. GONGOGI
  84. GUAJERU
  85. GUARATINGA
  86. IACU
  87. IBIASSUCE
  88. IBICOARA
  89. IBICUI
  90. IBIPEBA
  91. IBIRAPITANGA
  92. IBIRAPUA
  93. IBIRATAIA
  94. IBITIARA
  95. IBITITA
  96. IBOTIRAMA
  97. IGRAPIUNA
  98. IGUAI
  99. ILHEUS
  100. IPIAU
  101. IPIRA
  102. IPUPIARA
  103. IRAMAIA
  104. IRAQUARA
  105. IRARA
  106. ITABELA
  107. ITABERABA
  108. ITABUNA
  109. ITACARE
  110. ITAETE
  111. ITAGI
  112. ITAGIBA
  113. ITAGIMIRIM
  114. ITAGUACU DA BAHIA
  115. ITAJU DO COLONIA
  116. ITAMARAJU
  117. ITAMARI
  118. ITAMBE
  119. ITANAGRA
  120. ITANHEM
  121. ITAPARICA
  122. ITAPE
  123. ITAPEBI
  124. ITAPETINGA
  125. ITAPICURU
  126. ITAPITANGA
  127. ITARANTIM
  128. ITIUBA
  129. ITUACU
  130. ITUBERA
  131. JACARACI
  132. JACOBINA
  133. JAGUAQUARA
  134. JAGUARARI
  135. JAGUARIPE
  136. JANDAIRA
  137. JEREMOABO
  138. JIQUIRICA
  139. JITAUNA
  140. JUCURUCU
  141. JUSSIAPE
  142. LAFAIETE COUTINHO
  143. LAGOA REAL
  144. LAJE
  145. LAJEDAO
  146. LAJEDINHO
  147. LAJEDO DO TABOCAL
  148. LAMARAO
  149. LENCOIS
  150. LICINIO DE ALMEIDA
  151. LIVRAMENTO DE NOSSA SENHORA
  152. LUIS EDUARDO MAGALHAES
  153. MACARANI
  154. MACAUBAS
  155. MAETINGA
  156. MAIQUINIQUE
  157. MAIRI
  158. MALHADA
  159. MALHADA DE PEDRAS
  160. MANOEL VITORINO
  161. MANSIDAO
  162. MARACAS
  163. MARAGOGIPE
  164. MARAU
  165. MARCIONILIO SOUZA
  166. MASCOTE
  167. MATA DE SAO JOAO
  168. MEDEIROS NETO
  169. MIRANGABA
  170. MIRANTE
  171. MORPARA
  172. MORRO DO CHAPEU
  173. MORTUGABA
  174. MUCUGE
  175. MUCURI
  176. MULUNGU DO MORRO
  177. MUNIZ FERREIRA
  178. MUQUEM DE SAO FRANCISCO
  179. MURITIBA
  180. NAZARE
  181. NILO PECANHA
  182. NOVA CANAA
  183. NOVA FATIMA
  184. NOVA IBIA
  185. NOVA REDENCAO
  186. NOVA SOURE
  187. NOVA VICOSA
  188. NOVO TRIUNFO
  189. OLINDINA
  190. OURICANGAS
  191. OUROLANDIA
  192. PALMEIRAS
  193. PARAMIRIM
  194. PAU BRASIL
  195. PAULO AFONSO
  196. PE DE SERRA
  197. PEDRAO
  198. PEDRO ALEXANDRE
  199. PILAO ARCADO
  200. PIRAI DO NORTE
  201. PIRIPA
  202. PIRITIBA
  203. PLANALTINO
  204. PLANALTO
  205. POCOES
  206. POJUCA
  207. PONTO NOVO
  208. PORTO SEGURO
  209. POTIRAGUA
  210. PRADO
  211. PRESIDENTE JANIO QUADROS
  212. PRESIDENTE TANCREDO NEVES
  213. QUEIMADAS
  214. QUIJINGUE
  215. RAFAEL JAMBEIRO
  216. RIACHAO DAS NEVES
  217. RIACHAO DO JACUIPE
  218. RIBEIRA DO AMPARO
  219. RIBEIRA DO POMBAL
  220. RIO DE CONTAS
  221. RIO DO ANTONIO
  222. RIO DO PIRES
  223. RIO REAL
  224. RUY BARBOSA
  225. SALINAS DA MARGARIDA
  226. SALVADOR
  227. SANTA BRIGIDA
  228. SANTA CRUZ CABRALIA
  229. SANTA LUZIA
  230. SANTA TERESINHA
  231. SANTANA
  232. SANTO AMARO
  233. SANTO ANTONIO DE JESUS
  234. SANTO ESTEVAO
  235. SAO DESIDERIO
  236. SAO DOMINGOS
  237. SAO FELIPE
  238. SAO FELIX DO CORIBE
  239. SAO JOSE DA VITORIA
  240. SAO JOSE DO JACUIPE
  241. SAO MIGUEL DAS MATAS
  242. SAO SEBASTIAO DO PASSE
  243. SATIRO DIAS
  244. SAUBARA
  245. SEABRA
  246. SENHOR DO BONFIM
  247. SIMOES FILHO
  248. SITIO DO QUINTO
  249. TANHACU
  250. TAPIRAMUTA
  251. TEIXEIRA DE FREITAS
  252. TEODORO SAMPAIO
  253. TEOFILANDIA
  254. TEOLANDIA
  255. TERRA NOVA
  256. TREMEDAL
  257. TUCANO
  258. UBAIRA
  259. UBAITABA
  260. UBATA
  261. UMBURANAS
  262. UNA
  263. URUCUCA
  264. UTINGA
  265. VARZEA DA ROCA
  266. VARZEA NOVA
  267. VEREDA
  268. VITORIA DA CONQUISTA
  269. WAGNER
  270. WENCESLAU GUIMARAES
  271. INHAMBUPE

admin