TRANCADOS: Polícia Civil prende suspeitos de matar delegado, em Feira


Foram presos na manhã desta segunda-feira (23/9), dois dos três suspeitos do assassinato do delegado Gesta Dermeval Costa Santos, 58 anos, que ocorreu na tarde de sábado (21/9), no Centro de Abastecimento, em Feira de Santana.
Kaio Henrique dos Santos França, 18 anos, que confessou ter efetuado os disparos, e Wilder Conceição de Jesus, 18, foram presos por investigadores da Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos (DRFR), nos bairros Rua Nova e Brasília. O terceiro suspeito, identificado como Elenilton Oliveira de Almeida, conhecido como Léo, de 19 anos, está foragido.
O delegado André Ribeiro, titular da DRFR, disse que os suspeitos foram identificados após análise das câmeras de segurança e que eles são contumazes na prática de assaltos no local.
“Desde que tomamos conhecimento do fato iniciamos com a equipe da Furtos e Roubos as investigações no intuito de elucidar esse crime e através das câmeras de segurança do local conseguimos identificar um deles, o Wilder. Através deste conseguimos identificar os outros envolvidos na ação. Os três são contumazes na prática de assaltos no Centro de Abastecimento, além do uso de drogas. Tanto Kaio quanto Wilder falam que estavam no local com Léo. Kaio chamou os dois para praticar o roubo e eles tentaram uma vítima inicialmente, mas perceberam que a vítima parecia ser um policial e desistiram . Aí Kario observou o delegado e percebeu que ele estava com a cartaria na mão e que nela havia dinheiro. Eles escolheram a vítima desta forma”, informou o delegado André Ribeiro.
Kaio Henrique confessou que praticou o assalto para pagar dívidas. “Eu estava devendo ai fui roubar para pagar minhas dívidas aí eu fui e desci lá para o centro. Foi aí que me bati com o menino que disse que ia roubar e eu também vou. Ai fui descendo já tinha pegado a arma na mão de Léo, ai vi ele com a carteira com dinheiro, e fui para assaltar ele. Eu ainda falei: ‘Perdeu Coroa’. Ai ele respondeu: ‘Não tem perdeu não’. Aí eu recuei , disse ‘então tá de boa coroa’, e ele veio para cima de mim e sem querer eu deflagrei o tiro (…). Quando eu ia tentar me sair ele foi e veio tentar me agarrar, tentou me dá uma muchilada com a mochila de fruta aí eu consegui me sair e apertei. Eu já estava com o dedo no gatilho já”, relatou.

Redação CN