Mãe palmeirense que narra jogos para filho cego ganha prêmio no Melhor do Mundo da Fifa

O Brasil teve uma conquista muito significativa na cerimônia Fifa The Best.

 

powered by Rubicon Project
Silvia Grecco, mãe do menino palmeirense Nickollas Grecco, ganhou o prêmio Fifa Fan Award, que reconhece gestos extraordinários de fãs de futebol no mundo todo.

Ela ficou conhecida por narrar as partidas do Palmeiras para o seu filho, deficiente visual, nos jogos da equipe no Allianz Parque. A mãe e o filho palmeirense ganharam após votação na internet e saíram vencedores.

Concorreram ao prêmio Justo Sánchez, uruguaio fã do Cerro que passou a acompanhar os jogos do rival Rampla Juniors em homenagem ao filho falecido, e a torcida holandesa pela festa na Copa do Mundo feminina.

Em setembro do ano passado, a história de Silvia Grecco e de seu filho Nickollas viralizou após a dupla ter sido filmada na vitória de 1 a 0 do Palmeiras sobre o Corinthians, no Allianz Parque. A mãe tem o costume de narrar as jogadas das partidas da equipe alviverde para o filho, que é cego e recebeu o diagnóstico de autismo quando tinha cinco anos. Os dois viraram tema do primeiro capítulo de uma série produzida pela Fifa que aborda a relação de diversas mulheres com o futebol.

O nome da série, “Sheroes”, foi elaborado a partir da junção das palavras em inglês “she” e “heroes”, que significam “ela” e “heróis”, respectivamente. No capítulo, Silvia relata seu amor pelo Palmeiras desde sua infância e ainda relembra como passou a descrever para seu filho os detalhes que aconteciam em campo. A produção está disponível no canal de YouTube da Fifa.

“Eu sentia que ele estava ali, sentado, ouvindo gritos, mas não sabendo na realidade o que estava acontecendo. Aí sutilmente eu comecei a narrar todas as jogadas. Daí em diante, começou a ser uma coisa comum eu estar narrando para ele”, relata Silvia.

Quando a história de Nickollas chegou ao conhecimento do clube, a diretoria realizou uma série de ações com o garoto, incluindo uma visita ao estádio, na qual o jovem torcedor bateu um pênalti no gramado. Para completar, Nickollas ainda recebeu de presente um óculos que transforma imagem em áudio, que foi desenvolvido em parceria com uma empresa de tecnologia.

Veja o discurso de Silvia Grecco:

Boa noite a todos. Eu gostaria de compartilhar esse prêmio com o senhor Justo Sanchez, que também tem uma linda história de amor com o filho dele. Sinta-se também homenageado, senhor Justo.

Nicolas, aqui na frente, tem uma plateia com muitas pessoas. Muitos jogadores, muitos ídolos, jogadores brasileiros. Nós estamos aqui representando nosso time, o Palmeiras. Nós estamos aqui representando todos os torcedores do Brasil. Estamos representando todos os torcedores do mundo. Todos aqueles que torcem pela pessoa com deficiência.

O futebol pode transformar a vida dessas pessoas. É muito amor, é muita dedicação. E o simples gesto de eu narrar os jogos para o meu filho tivemos a oportunidade de um jornalista brasileiro da TV Globo, Marco Aurélio Souza. Ele nos viu com os olhos e nos enxergou com o coração. E aí a nossa história rodou o mundo. Agradeço muito a Fifa por esta indicação e, por hoje, eu poder falar para o mundo do futebol que a pessoa com deficiência existe, que ela precisa ser amada, respeitada e incluída.

Obrigado, Deus, por me permitir ser ponte e hoje representar não só meu filho, mas todos do mundo que tenha alguma deficiência e que precisa de uma oportunidade. Obrigada!

ESPN

Redação CN