MADRUGADA DE TERROR: Mesmo PM negando greve, Bahia registra onda de violência


Na primeira madrugada após a greve parcial de policiais militares na Bahia, foram registrados arrombamentos a estabelecimentos comerciais em alguns bairros da periferia de Salvador, além de tiros contra vidraças de bancos e ônibus. O governo da Bahia nega a paralisação.
No bairro de Cosme de Farias, 31 pessoas foram presas por policiais militares durante tentativas de furto a dois estabelecimentos. Segundo informações da SSP (Secretaria da Segurança Pública), o grupo tentava levar mercadorias de uma loja de calçados e de um mercado.
Na avenida Lima e Silva, principal via do bairro da Liberdade, criminosos arrombaram uma loja de vestuário e roubaram peças de roupas. Já na Estrada das Barreiras, os alvos dos ladrões foram a loja de eletrodomésticos Top Móveis e a farmácia Preço Popular.
No bairro Caminho de Areia, uma agência bancária da Caixa Econômica Federal teve as vidraças quebradas por vândalos. Já no bairro da Calçada, a agência do Santander foi alvo de tiros. Os caixas eletrônicos de nenhum dos dois estabelecimentos foram roubados.
Nos bairros Jardim Nova Esperança e Pau da Lima, homens encapuzados renderam motoristas e cobradores de dois ônibus, ordenaram que descessem dos veículos, tomaram as chaves e atiraram nos pneus, segundo o presidente em exercício do Sindicato dos Rodoviários, Fábio Primo.
Por meio de nota, a SSP da Bahia informou que a Polícia Civil já iniciou as investigações sobre os ataques a estabelecimentos comerciais na capital baiana. O texto diz que já foram solicitadas perícias nas munições encontradas e em imagens das câmeras da secretaria e de segurança privada.

Redação CN