Mais de 30 kg de petróleo foram retirados das praias de Salvador nos últimos dias, diz prefeitura

Manchas estão em ao menos sete pontos da cidade. Apesar disso, Ibama pontua diminuição de quantidade. Além da capital baiana, outros sete municípios foram contaminados.

 

Um balanço divulgado pela Prefeitura de Salvador neste domingo (13) aponta que, nos últimos quatro dias, ao menos 36 kg de petróleo foram retirados das praias da cidade por agentes da Limpurb.

De acordo com a Prefeitura, entre a quinta-feira (10) e a sexta (11) foram recolhidos 20 kg da substância. No sábado, cerca de 15 kg foram coletados. E, neste domingo, mais 1 kg foi retirado das praias durante a manhã.

Ao menos sete praias da capital baiana estão contaminadas com o petróleo. São elas Piatã, Praia do Flamengo, Jardim dos Namorados, Jardim de Alah, Praia de Placaford, Rio Vermelho e Ondina.

“Nossas equipes continuarão de prontidão 24h, monitorando e retirando todo o material que for localizado na faixa de areia da orla de Salvador, até que todas as possibilidades de chegada de mais material sejam descartadas pelos órgãos aqui presentes”, destacou o presidente da Limpurb, Marcus Passos.


Além de Salvador, outras sete cidades foram afetadas, totalizando ao menos 25 pontos de contaminação. No sábado (12), o Governo da Bahia anunciou um decreto de situação de emergência para liberar recursos para as cidades afetadas no estado. O documento será assinado na segunda-feira (14).

Neste domingo, o Comando Unificado de Incidentes, grupo criado para combater o problema no estado, se reuniu em Salvador pela segunda vez. A reunião foi realizada na sede do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Durante o encontro, segundo a Prefeitura, o Ibama destacou que Salvador está preparada e atuando de forma correta e precisa na limpeza das praias.

Em contato com o G1 neste domingo, o superintendente do órgão na Bahia, Rodrigo Alves, destacou a redução no número de manchas registradas no estado e, mais uma vez, negou a presença de manchas na Baía de Todos-os-Santos.

“Salvador amanheceu bem limpa, com uma pequena quantidade. Ainda não encontraram quantidade relevante. Hoje fizeram ação em Ilha de Maré e não acharam nada. As equipes estão monitorando. Não há chegada ainda na Baía de Todos-os-Santos”, disse.

Manchas de óleo

As manchas começaram a chegar no estado em 3 de outubro, quase um mês após o início do problema no país. Mais de 150 praias já foram afetadas pelo óleo em todo o Nordeste. Há registro em todos os nove estados da região. A Bahia foi o último a ser atingido.

O Tamar suspendeu a soltura de filhotes de tartaruga, para preservar os animais que são desovados na Bahia. Segundo o Projeto, os filhotes correm risco de morte se entrarem em contato com a substância.

Na quinta-feira (10), pesquisadores da Universidade Federal da Bahia (UFBA) informaram que o óleo que atinge o litoral do Nordeste foi produzido na Venezuela. Apesar da afirmação dos pesquisadores, o governo de Nicolás Maduro nega que a Venezuela é responsável pelo petróleo que atinge as praias do litoral nordestino.

Lista de praias afetadas na Bahia
Salvador:

Piatã;
Praia do Flamengo;
Jardim dos Namorados;
Jardim de Alah;
Praia de Placaford;
Rio Vermelho;
Ondina;
Lauro de Freitas (cidade limítrofe – RMS):

Vilas do Atlântico;
Camaçari (47 km – RMS):

Arembepe;
Guarajuba;
Itacimirim;
Jauá;
Mata de São João (61 km – RMS):

Praia do Forte;
Entre Rios (142 km):

Subaúma;
Porto de Sauípe;
Costa do Sauípe;
Massarandupió;
Esplanada (170 km):

Baixio;
Mamucabo;
Conde (186 km):

Barra da Siribinha;
Barra do Itariri;
Sítio do Conde;
Poças;
Jandaíra (205 km):

Coqueiro;
Mangue Seco;

G1 Bahia.

Redação CN