ROLOU BAFAFÁ! Caixão é abandonado do lado de fora por funcionários de funerária

O descanso eterno de um dos mortos da cidade de Itabuna, no sul da Bahia, foi atrapalhado na manhã desta quarta-feira (23/2). Um caixão, contendo um corpo de homem que seria sepultado, foi deixado na porta do cemitério por funcionários de uma funerária.
Incomodados, os moradores fizeram vídeos para alertar a situação. “Falta de respeito agora, aqui. Pessoal da mortuária chegou com um caixão aqui, com um morto, não apareceu ninguém, nenhum familiar, simplesmente deixaram o caixão na porta do cemitério e foram embora”, reclama um homem.
Segundo o portal local Verdinho Itabuna, trata-se do corpo de um idoso de 86 anos, identificado apenas como Joaquim. Os serviços funerários teriam sido devidamente pagos pela Prefeitura de Itabuna. Depois que os parentes da vítima chegaram, eles colocaram o caixão dentro do cemitério e seguiram com a cerimônia.
OUTRO LADO
Em áudios que circulam nas redes sociais, que seriam de um dos funcionários da funerária, um homem pede que “vejam o seu lado”:
“Um filho de uma égua desses, fica aí filmado ao invés de pegar o caixão e colocar lá dentro. A gente chega pra colocar ‘as paradas’ e não tem ninguém pra receber a gente… nossa obrigação não é colocar ‘no buraco’ não! Nossa obrigação é deixar na porta do cemitério, e é obrigação do coveiro enterrar”, reclama.
Ele explica que a função do agente funerário é retirar o corpo do hospital ou do Instituto Médico Legal (IML), vestí-lo e arrumar no caixão. “A gente é funerário. A gente só faz o serviço de arrumar e deixar na porta. A gente não tem nem obrigação de deixar no cemitério”, continua o homem.
“Falta de respeito com o defunto? Ninguém olha meu lado, também. Os coveiros, quando dá meio-dia, ‘vai’ todo mundo almoçar, e eu tenho que ficar com ‘o pacote’ esperando, com fome. Não, meu amigo! Eu também sou escroto. Ele não foi almoçar? Eu deixei e fui almoçar também. O defunto vai comer terra ‘nestante’… eu vou passar do meu horário por causa dele?”, critica o suposto funcionário.

redacao